anúncios

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Conhecendo os gerenciadores de janelas leves

O objetivo deste é apresentar os gerenciadores de janelas que são considerados leves no uso de memória e processador.

Bom para máquinas um pouco ultrapassadas e também para aqueles que prezam pelo melhor desempenho do sistema.

OpenBox

OpenBox é um gerenciador de janelas para o sistema Unix-like com X Window System, sob licença GPL. Foi derivado originalmente do Blackbox na versão 0.65.0, mas foi totalmente reescrito em C, e desde a versão 3.0 não é baseado em nenhum código do Blackbox.

Screenshot

Instalação do OpenBox no Debian e derivados
#apt-get install openbox openbox-dev openbox-themes obconf obmenu

Site: http://openbox.org/wiki/Main_Page

IceWM

IceWM é um gerenciador de janelas para o sistema Unix-like com X Windo System, sob licença GPL. Foi desenvolvido em C++ por Marko Macek. É relativamente leve no uso de memória e do uso do processador.
A interface IceWM lembra muito a interface do Windows 95.

Screenshot

Instalação do IceWM no Debian e derivados
apt-get install icewm icewm-common

Site: http://www.icewm.org/

FluxBox

FluxBox é um gerenciador de janelas para o sistema Unix-like com X Window System, sob licença MIT.

Foi desenvolvido em C++ por Henrik Kinnunen.

Uma de suas capacidades é o suporte para abas de janelas (janelas diferentes podem ser agrupadas em abas de uma mesma janela). Também pode executar ações (como minimizar uma janela ou executar um comando pré-determinado) em resposta a sequências de teclas. Essas e outras funcionalidades podem ser configuradas. Outras podem ser lidas na página principal do seu website.

Screenshot

Instalação do Fluxbox no Debian e derivados
#apt-get install fluxbox

Site: http://www.fluxbox.org/

WindowMaker

WindowMaker é um gerenciador de janelas para o sistema Unix-like com X Window System, sob licença GNU.

Foi desenvolvido Objective-C. Tem reputação de ser relativamente rápido e eficiente em comparação com outros gerenciadores de janelas, seu uso é bastante comum em máquinas antigas.

Screenshot

Instalação do WindowMaker com alguns pacotes inclusos no Debian e derivados
#apt-get install wmaker wmcalclock wmcdplay wmforkplop wmifs wmmemload wmnd wmpuzzle

Site: http://windowmaker.org/

LXDE

LXDE é um gerenciador de janelas para o sistema Unix-like com X Window System, sob licença GPL.

O nome LXDE significa "Lightweight X11 Desktop Environment.

O LXDE foi desenvolvido para funcionar bem em máquinas lentas e de baixa performance e para sistemas simplificados como netbooks. É eficiente no uso de energia e rápido comparado com outros gerenciadores de janelas.

Screenshot

Instalação do LXDE no Debian e derivados
#apt-get install task-lxde-desktop lxpanel lxmusic lxsession lxtask lxterminal lxterminal-cache1 libmenu-cache1-dev education-desktop-lxde

Site: http://lxde.org/

XFCE

XFCE é um gerenciador de janelas para o sistema Unix-like com X Window System, sob licença GPL e BSD.

Foi desenvolvido inicialmente por Oliver Fourdan e atualmente desenvolvido por diversos colaboradores.

Diversas distros já incluem por omissão o XFCE instalados por padrão, por exemplo Debian tem uma iso com XFCE, Xubuntu, Slackware, dentre outras distros.

Screenshot

Instalação do XFCE no Debian e derivados
#apt-get install xfwm4 xfwm4-themes

Site: http://www.xfce.org/

MATE

Mate é um gerenciador de janelas para o sistema Unix-like com X Window System, sob licença GPL.

É derivado do Gnome2. Foi desenvolvido devido a mudança "agressiva" do seu sucessor Gnome3, que não agradou todos.

Pode ser descrito como uma continuação do Gnome2, com os recursos do Gnome3, mas com visual intuitivo e tradicional de sua versão anterior. A distribuição que vem por default é o Linux Mint Debian.

Screenshot

Instalação no Debian
Adicionar no arquivo /etc/apt/sources.list de acordo com a versão do Debian
Versão Squeeze
deb http://http.debian.net/debian-backports squeeze-backports(-sloppy) main
Versão Wheezy
deb http://http.debian.net/debian wheezy-backports main
Versão Jessie
deb http://http.debian.net/debian jessie-backports main
#apt-get update
#apt-get -t jessie-backports install "package"
#apt-get install mate-desktop-environment


Site: http://mate-desktop.org/

Feito!

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Instalando e Configurando o Cacti no Debian

O que é Cacti ?

Cacti é uma ferramenta de monitoramento de redes opensource sob licença GPL, que lê e exibe informações sobre o estado de uma rede de computadores através de gráficos, permitindo o monitoramento e gerenciamento de redes simples até redes complexas, com centenas de dispositivos. Foi desenvolvido para ser flexível de modo a se adaptar facilmente a diversas necessidades, bem como ser robusto e adicionando a isto uma interface Web intuitiva e fácil de usar. Monitora o estado de elementos de rede e programas bem como largura de banda utilizada e uso de CPU.

Trata-se de uma interface e uma infra-estrutura para o RRDTool, que é responsável por armazenar os dados recolhidos e por gerar gráficos em um banco de dados MySQL. A interface é completamente orientada à PHP. As informações são repassadas para a ferramenta através de scripts ou outros programas escolhidos pelo usuário os quais devem se encarregar de obter os dados.

Utiliza-se adicionalmente o protocolo SNMP para consultar informações em elementos de redes e/ou programas que suportam tal protocolo. Sua arquitetura prevê a possibilidade de expansão através de plugins que adicionam novas funcionalidades. Um destes plugins é o PHP Network Weathermap que mostra um mapa da rede e o estado de cada elemento.

Depois de conhecer o Cacti e pra que serve, podemos seguir os procedimentos de instalação e configuração do Cacti no seu servidor GNU/Linux Debian.

Observação: Testado no GNU/Linux Debian 8 (Jessie) e versão do Cacti é 0.8.8f até a data de publicação deste post


Atualizando o repositório de pacotes
#apt-get update
Instalando os pacotes pré-requisitos necessários
#apt-get install gcc make apache2 mysql-server libmysqlclient-dev libperl-dev php5 php5-mysql snmp snmpd libsnmp-dev libsnmp-base libnet-snmp-perl rrdtool openssl

Criando o banco de dados e usuário para o Cacti no MySQL
# mysql_install_db
# mysql -u root -p
Enter password: < digite a senha de root que foi definida na instalação do MySQL >
mysql> create database cacti character set utf8;
Criar o usuário cactiuser para o banco cactiuser
mysql> GRANT ALL PRIVILEGES ON *.* TO cactiuser@localhost IDENTIFIED BY 'senha_cactiuser' WITH GRANT OPTION;
Query OK, 0 rows affected (0.00 sec)
mysql> quit


Criando usuário cactiuser sem Shell
#useradd cactiuser -s /bin/false
#passwd cactiuser
Digite a nova senha UNIX:
Redigite a nova senha UNIX:
passwd: senha atualizada com sucesso


Download Cacti
Opcional: Criar um diretório cacti em Downloads
$mkdir /home/SEU_USUARIO/Downloads/cacti
$cd /home/SEU_USUARIO/Downloads/cacti
$wget -c "http://www.cacti.net/downloads/cacti-0.8.8f.tar.gz"
#tar -xzvf cacti-0.8.8f.tar.gz -C /var/www/html
#mv cacti-0.8.8f.tar.gz cacti
#cd /var/www/html/cacti


Download Cacti-Spine
#cd /home/SEU_USUARIO/Downloads/cacti
$wget -c "http://www.cacti.net/downloads/spine/cacti-spine-0.8.8f.tar.gz"
Extrair no diretório /usr/src
#tar -xzvf cacti-spine-0.8.8f.tar.gz -C /usr/src
#cd /usr/src/cacti-spine-0.8.8f
#./configure
#make
#make install


Local de instalação do Cacti-Spine: /usr/local/spine
Ajuste de parâmetros do banco de dados no arquivo de configuração spine.conf
#cd /usr/local/spine/etc
#cp spine.conf.dist spine.conf.dist.orig
#cp spine.conf.dist spine.conf
#vim spine.conf

Altere as linhas 33 até 37 de acordo com os dados do seu banco de dados MySQL.
ESC + :x (salva e sai do editor Vim)

Ajustes da ferramenta web do Cacti
#cd /var/www/html/cacti/include
Altere as linhas 26 até 31 de acordo com os dados do seu banco de dados MySQL.
ESC + :x (salva e sai do editor Vim)

Setando permissão no usuário para geração de gráficos e logs
chown -R cactiuser rra/ log/

Assim terá o acesso a ferramenta Cacti.
Importando as tabelas do banco de dados
#cd /var/www/html/cacti
#mysql -u cactiuser -p cacti < cacti.sql


Conferir se foi importado as tabelas
#mysql -u cactiuser -p
Enter password: < digite a senha cadastrada >
#use cacti;
#show tables;


+---------------------------+
| Tables_in_cacti |
+---------------------------+
| cdef |
| cdef_items |
| colors |
| data_input |
| data_input_data |
| data_input_fields |
| data_local |
| data_template |
| data_template_data |
| data_template_data_rra |
| data_template_rrd |
| graph_local |
| graph_template_input |
| graph_template_input_defs |
| graph_templates |
| graph_templates_gprint |
| graph_templates_graph |
| graph_templates_item |
| graph_tree |
| graph_tree_items |
| host |
| host_graph |
| host_snmp_cache |
| host_snmp_query |
| host_template |
| host_template_graph |
| host_template_snmp_query |
| plugin_config |
| plugin_db_changes |
| plugin_hooks |
| plugin_realms |
| poller |
| poller_command |
| poller_item |
| poller_output |
| poller_reindex |
| poller_time |
| rra |
| rra_cf |
| settings |
| settings_graphs |
| settings_tree |
| snmp_query |
| snmp_query_graph |
| snmp_query_graph_rrd |
| snmp_query_graph_rrd_sv |
| snmp_query_graph_sv |
| user_auth |
| user_auth_perms |
| user_auth_realm |
| user_log |
| version |
+---------------------------+
52 rows in set (0.01 sec)

Reiniciar o serviço do MySQL
# /etc/init.d/mysql restart
[ ok ] Stopping MySQL database server: mysqld.
[ ok ] Starting MySQL database server: mysqld


Reiniciar o serviço do Apache
# /etc/init.d/apache2 restart
[ ok ] Restarting web server: apache2

Acessar no browser -> http://IPSERVIDOR/cacti

Clicar no botão Next

Selecionar New Install e clicar no botão Next

Conferir se foram encontrados os arquivos binários, deve estar [FOUND] na cor verde, caso estive [NOT FOUND] na cor vermelha, provavelmente faltou instalar algum pacote pré requisito.
Estando em [FOUND] clique no botão Next, caso contrário, revise e instale o pacote faltante.

Logue com usuário admin e senha admin e clique no botão Next

Será necessário trocar d senha default, digite a nova senha, confirme a nova senha e clique no botão Next

Assim terá o acesso a ferramenta Cacti.

Agora adicionar o Cacti-Spine como segue abaixo
Settings na aba Paths em Spine Poller File Path colocar o caminho onde se encontra o arquivo binário do spine, nesse caso é: /usr/local/spine/bin/spine conforme a figura abaixo


Configurar máquina Windows para ser monitorada no Cacti
Iniciar>Programas padrão>Programas recursos>Ativar ou desativar recursos do Windows> aguarde e marque Protocolo SNMP OK
Iniciar>executar> services.msc
Procura por SNMP, clica e na aba Segurança, adicione um nome para uma comunidade e aceitar pacotes SNMP depois Aplicar.

Agora fazer configuração na ferramenta Cacti, adicionar o Host que foi configurado.
Em Devices - clique em Add
Colocar o Host incluindo SO, IP e o nome da comunidade definida no host.
Clicar no botão Create
E depois criar gráfico, veja que irá detectar as partições e todas as redes do Host.
Criar uma árvore em Graph Trees, clicar em Add, colocar uma nome para árvore e clicar em Create.
Adiciona os Hosts nessa árvore
Tree Item Type: Host
Host: seleciona o Host criado
Graph Style: seleciona o tipo de template
Round Robin Archive: seleciona o tempo
Clicar em Create
Lá em cima, aba Graph, tem a árvore de host que foram criadas.

Referências
http://www.cacti.net/downloads/docs/html/
http://wiki.ciscolinux.co.uk/index.php?title=Cacti_spine

Feito!

domingo, 18 de outubro de 2015

Instalando e Configurando o Nagios no Debian

O que é Nagios ?

Nagios é uma ferramenta de monitoramento de redes opensource sob licença GPL, que verifica constantemente a disponibilidade do serviço, seja local ou remoto e avisa por meio de email ou celular sobre o problema ocorrido. É possível obter relatórios de disponibilidade e configurar ações corretivas para os problemas ocorridos na rede.

Na real o Nagios faz o que o Zabbix também faz.

Depois de conhecer o Nagios e pra que serve, podemos seguir os procedimentos de instalação e configuração do Nagios em seu servidor GNU/Linux Debian.

Observação: Testado no GNU/Linux Debian 8 (Jessie) e versão do Nagios é 4.1.1 até a data de publicação deste post.

Atualizando o repositório de pacotes
#apt-get update
Instalando os pacotes pré-requisitos necessários
#apt-get install gcc make glibc-source libgd2-xpm-dev libgd-tools apache2 apache2-utils php5 snmp snmpd libnet-snmp-perl xinetd rcconf

Criando usuário Nagios sem Shell
#useradd nagios -s /bin/false
root@Saitam:# passwd nagios
Digite a nova senha UNIX:
Redigite a nova senha UNIX:
passwd: senha atualizada com sucesso


Adicionando o usuário nagios no grupo nagcmd
#groupadd nagcmd
#usermod -a -G nagcmd nagios
#usermod -a -G nagcmd www-data


Download do Nagios
Opcional: Criar um diretório nagios em Downloads
$mkdir /home/SEU_USUARIO/Downloads/nagios
$cd /home/SEU_USUARIO/Downloads/nagios
$wget -c "http://sourceforge.net/projects/nagios/files/nagios-4.x/nagios-4.1.1/nagios-4.1.1.tar.gz"


Extrair o arquivo nagios-4.1.1.tar.gz no /usr/src/
#tar -xzvf nagios-4.1.1.tar.gz -C /usr/src/
Acessar até o diretório extraído
#cd /usr/src/nagios-4.1.1
Executar o ./configure com os argumentos
#./configure --prefix=/usr/local/nagios --with-command-group=nagcmd --enable-nanosleep --enable-event-broker --with-snmp --with-net-snmp --with-snmpwalk --with-snmptranslete --with-snmpget

Compilação dos sources do Nagios
#make all

Instalação do Nagios
#make install
#make install-init
#make install-commandmode
#make install-config


Criação do arquivo nagios.conf
#/usr/bin/install -c -m 644 sample-config/httpd.conf /etc/apache2/conf-enabled/nagios.conf
#cp -R contrib/eventhandlers/ /usr/local/nagios/libexec #/usr/local/nagios/bin/nagios -v /usr/local/nagios/etc/nagios.cfg #chown -R nagios:nagios /usr/local/nagios/libexec/eventhandlers/

Criar o usuário de acesso ao Nagios
#htpasswd -c /usr/local/nagios/etc/htpasswd.users nagiosadmin
New password:
Re-type new password:
Adding password for user nagiosadmin


OBS: O argumento -c é apenas para o primeiro usuário, para os demais usuários segue o mesmo comando acima sem o -c.

Starta o serviço do Apache e Nagios
#service apache stop
#service apache2 start
#/etc/init.d/nagios start

Agora, faça um teste de acesso no browser: http://IPSERVIDOR/nagios
Estando tudo OK até aqui, passe para o próximo passo, que é a instalação de plugins do Nagios.

Instalação de plugins
#cd /home/SEU-USUARIO/Downloads/nagios
#wget -c "http://nagios-plugins.org/download/nagios-plugins-2.1.1.tar.gz"
#tar -xzvf nagios-plugins-2.1.1.tar.gz -C /usr/src/nagios-4.1.1/
#cd /usr/src/nagios-4.1.1/nagios-plugins-2.1.1/
#./configure --prefix=/usr/local/nagios/plugins --with-nagios-user=nagios --with-nagios-group=nagcmd
#make
#make install


Reinicie o serviço Nagios
#service nagios stop
Stopping nagios:. done.

#service nagios start
Starting nagios: done.
Acesse no browser: http://IPSERVIDOR/nagios

Screenshot da tela de autenticação e após autenticar-se no Nagios



Referências
https://library.nagios.com/library/products/nagioscore/documentation
http://nagios-plugins.org/doc/man/
https://assets.nagios.com/downloads/nagioscore/docs/nagioscore/4/en/

Feito!

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Resetando a senha de root do MySQL no Linux

O objetivo deste post, é resetar a senha do MySQL, caso tenha esquecido devido um longo período sem utilizar o MySQL.

Observação: Distro utilizada: Debian 8 (Jessie), mas pode ser utilizado em distros derivadas do Debian, como o Ubuntu/Mint e até outras distros não derivadas do Debian, adaptando apenas a inicialização do serviço do MySQL.

Segue os procedimentos:
Parar o serviço do MySQL
#/etc/init.d/mysql stop

Iniciar o serviço MySQL como segue:
#mysqld_safe --skip-grant-tables

Acessar o MySQL em outro terminal

$mysql -u root
Execute os comandos após o comando acima
mysql> use mysql;
Reading table information for completion of table and column names
You can turn off this feature to get a quicker startup with -A

Database changed
mysql> update user set password=PASSWORD("nova_senha_mysql") where User='root';
Query OK, 4 rows affected (0.00 sec)
Rows matched: 4 Changed: 4 Warnings: 0
mysql> flush privileges;
Query OK, 0 rows affected (0.00 sec)

Redefinindo as permissões
mysql> grant all privileges on *.* to 'root'@'%';
Query OK, 0 rows affected (0.00 sec)
mysql> grant all privileges on *.* to 'root'@'localhost';
Query OK, 0 rows affected (0.00 sec)
mysql> grant all privileges on *.* to 'root@localhost';
Query OK, 0 rows affected (0.00 sec)

mysql> show grants for 'root'@'%';
+-------------------------------------------+
| Grants for root@% |
+-------------------------------------------+
| GRANT ALL PRIVILEGES ON *.* TO 'root'@'%' |
+-------------------------------------------+
1 row in set (0.00 sec)

mysql> flush privileges;
Query OK, 0 rows affected (0.00 sec)

mysql>quit

Parar o serviço do MySQL
# /etc/init.d/mysql stop
[ ok ] Stopping MySQL database server: mysqld.


Iniciar o serviço do MySQL normal
# /etc/init.d/mysql start
[ ok ] Starting MySQL database server: mysqld.


Por fim, faça o teste logando com a nova senha definida para o root no MySQL.
$ mysql -u root -p
Enter password:
Welcome to the MySQL monitor. Commands end with ; or \g.
Your MySQL connection id is 49
Server version: 5.5.44-0+deb7u1 (Debian)
Copyright (c) 2000, 2015, Oracle and/or its affiliates. All rights reserved.
Oracle is a registered trademark of Oracle Corporation and/or its
affiliates. Other names may be trademarks of their respective
owners.
Type 'help;' or '\h' for help. Type '\c' to clear the current input statement.
mysql>

Feito!

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Instalando e Configurando o Ocomon no Debian

O que é Ocomon ?

Ocomon é uma ferramenta open source de gerenciamento de chamados e inventário de informática que uma empresa deve ter.

Depois de conhecer o Ocomon e pra que serve, podemos seguir os procedimentos de instalação e configuração do Ocomon em seu servidor GNU/Linux Debian.

Observação: Testado no GNU/Linux Debian 8 (Jessie) e versão do Ocomon é 2.0-RC6 até a data de publicação deste post.

Atualizando o repositório de pacotes
#apt-get update
Instalando os pacotes pré-requisitos necessários
#apt-get install apache2 mysql-server libmysqlclient15-dev php5 php5-gd php5-mysql snmp snmpd libsnmp-dev curl libssh2-1-dbg libssh2-1-dev libssh2-php php5-ssh2 php5-ldap php5-gd
Criando o banco de dados Ocomon no MySQL
# mysql_install_db
# mysql -u root -p
Enter password: < digite a senha de root que foi definida na instalação do MySQL >
mysql> create database ocomon character set utf8;
Criar o usuário ocomon para o banco ocomon
mysql> GRANT ALL PRIVILEGES ON *.* TO ocomon@localhost IDENTIFIED BY 'senha_ocomon' WITH GRANT OPTION;
Query OK, 0 rows affected (0.00 sec)
mysql> quit

Download do Ocomon
wget -c "http://sourceforge.net/projects/ocomonphp/files/ocomon_2.0-RC6.tar.gz"
Extrair o Ocomon para o diretório raiz do Apache
#tar -xzvf ocomon_2.0-RC6.tar.gz -C /var/www/html
Renomear ocomon_2.0-RC6 para helpdesk
OBS: Isso é opcional, apenas para facilitar ao usuário acessar na url.
#cd /var/www/html
#mv ocomon_2.0-RC6/ helpdesk

Ajuste de configuração
#cd /var/www/html/helpdesk/includes
#mv config.inc.php-dist config.inc.php
Altere as seguintes linhas no arquivo config.inc.php
#vim config.inc.php
linha 10: o usuário do banco definido para o Ocomon
linha 13: a senha do usuário acima definido para o Ocomon
linha 15: apenas trocar se o banco de dados estiver em outro servidor, nesse caso deve colocar o IP do servidor do banco de dados
linha 17: o nome do banco de dados criado para o Ocomon
ESC + :x (salva e sai do editor Vim)

Criar as tabelas do banco ocomon
Primeiro acessar até o diretório abaixo:
#cd /var/www/html/helpdesk/install/2.0RC6
Editar o script do banco
#vim DB_OCOMON_2.0RC6_FULL.SQL
linha 03: deixe o nome do banco de dados definido
Comente as linhas 05 e 06 deixando assim
/*CREATE USER ocomon@localhost IDENTIFIED BY 'senha_ocomon';
GRANT SELECT , INSERT , UPDATE , DELETE ON `ocomon` . * TO 'ocomon'@'localhost'; */

OBS: Como já foi criado o usuário ocomon com as permissões quando criamos o banco de dados ocomon, por isso essa linha foi comentada, pois já existe um usuário ocomon.
linha 08: deixe o nome do banco de dados definido

Agora é necessário substituir o TYPE por ENGINE, mas usaremos um atalho no Vim.
Deixe o Vim em modo padrão (comando) e segue a instrução.
ESC + %s/TYPE/ENGINE/g
A instrução acima substituirá o TYPE por ENGINE em todas as linhas.

Feito corretamente os passos anteriores, execute como segue
#mysql -u ocomon -p < DB_OCOMON_2.0RC6_FULL.SQL
Confira se gerou as tabelas
#mysql -u ocomon -p
mysql> show databases;
mysql> use ocomon;
Reading table information for completion of table and column names
You can turn off this feature to get a quicker startup with -A


Database changed
mysql> show tables;
+-----------------------------+
| Tables_in_ocomon |
+-----------------------------+
| CCUSTO |
| areaXarea_abrechamado |
| assentamentos |
| assistencia |
| avisos |
| cat_problema_sistemas |
| categoriaXproblema_sistemas |
| categorias |
| config |
| configusercall |
| contatos |
| doc_time |
| dominios |
| email_warranty |
| emprestimos |
| equipXpieces |
| equipamentos |
| estoque |
| fabricantes |
| feriados |
| fornecedores |
| global_tickets |
| hist_pieces |
| historico |
| hw_alter |
| hw_sw |
| imagens |
| instituicao |
| itens |
| licencas |
| localizacao |
| lock_oco |
| mail_hist |
| mail_list |
| mail_templates |
| mailconfig |
| marcas_comp |
| materiais |
| modelos_itens |
| modulos |
| moldes |
| msgconfig |
| nivel |
| ocodeps |
| ocorrencias |
| permissoes |
| polegada |
| predios |
| prior_atend |
| prior_nivel |
| prioridades |
| prob_tipo_1 |
| prob_tipo_2 |
| prob_tipo_3 |
| prob_x_script |
| problemas |
| reitorias |
| resolucao |
| script_solution |
| scripts |
| sistemas |
| situacao |
| sla_out |
| sla_solucao |
| softwares |
| solucoes |
| status |
| status_categ |
| styles |
| sw_padrao |
| temas |
| tempo_garantia |
| tempo_status |
| tipo_equip |
| tipo_garantia |
| tipo_imp |
| tipo_item |
| uprefs |
| usuarios |
| usuarios_areas |
| uthemes |
| utmp_usuarios |
+-----------------------------+
82 rows in set (0.00 sec)


Reinicie o serviço do MySQL
# /etc/init.d/mysql restart
[ ok ] Restarting mysql (via systemctl): mysql.service.


Reinicie o serviço do Apache
# /etc/init.d/apache2 restart
[ ok ] Restarting apache2 (via systemctl): apache2.service.


Acessar no browser -> http://IPSERVIDOR/helpdesk
Usuário e Password default são admin/admin respectivamente.

Se tiver problemas com acentuação, adicione no início das páginas a linha abaixo:
header('Content-Type: text/html; charset=iso-8859-1');
Feito!

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Instalando e Configurando o Jenkins no Debian

O que é Jenkins ?

Jenkins é uma ferramenta de integração contínua capaz de realizar o deploy da aplicação de forma automatizada. Assim, uma vez configurado os jobs corretamente de uma determinada hora, o deploy será feito na hora programada, caso ocorra alguma quebra de build, é encaminhado um e-mail para a equipe de desenvolvimento.

Depois de conhecer o Jenkins e pra que serve, podemos seguir os procedimentos de instalação e configuração do Jenkins em seu servidor GNU/Linux Debian.

Observação: Testado no GNU/Linux Debian 8 (Jessie) e versão atual do Jenkins é 1.632, do JDK é 1.8.60, do Tomcat é 8.0.26 e Maven é 3.3.3 até a data de publicação deste post.

Pré-requisitos: JDK, Tomcat, Maven

Download JDK
x86: wget --no-check-certificate --no-cookies --header "Cookie: oraclelicense=accept-securebackup-cookie" "http://download.oracle.com/otn-pub/java/jdk/8u60-b27/jdk-8u60-linux-i586.tar.gz"
x64: wget --no-check-certificate --no-cookies --header "Cookie: oraclelicense=accept-securebackup-cookie" "http://download.oracle.com/otn-pub/java/jdk/8u60-b27/jdk-8u60-linux-x64.tar.gz"

Download Tomcat
wget -c "http://ftp.unicamp.br/pub/apache/tomcat/tomcat-8/v8.0.26/bin/apache-tomcat-8.0.26.tar.gz"

Download Jenkins
wget -c "http://mirrors.jenkins-ci.org/war/latest/jenkins.war"

Configurando JDK
#mkdir /opt/java
#tar -xzvf jdk-8u60-linux-i586.tar.gz -C /opt/java

Criando link simbólico jdk8
#ln -s /opt/java/jdk1.8.0_6/ jdk8

Adicionar variável de ambiente $JAVA_HOME no PATH do sistema
#vim /etc/profile
export JAVA_HOME="/opt/java/jdk8"
export CLASSPATH="$JAVA_HOME/lib":$CLASSPATH
export PATH="$JAVA_HOME/bin":$PATH
export MANPATH="$JAVA_HOME/man":$MANPATH
ESC +:x (para salvar e sair do editor Vim).
#source /etc/profile

Configurando Tomcat
#mkdir /opt/tomcat
#tar -xzvf apache-tomcat-8.0.26.tar.gz -C /opt/tomcat
#chmod +x /opt/tomcat/apache-tomcat-8.0.26/bin/catalina.sh
#chmod +x /opt/tomcat/apache-tomcat-8.0.26/bin/startup.sh
#chmod +x /opt/tomcat/apache-tomcat-8.0.26/bin/shutdown.sh
Startar o Tomcat
#/opt/tomcat/apache-tomcat-8.0.26/startup.sh

Estrutura de diretórios do Tomcat
bin - executáveis e scripts do Tomcat
conf - arquivos de configuração do Tomcat
logs - arquivos de logs das aplicações, inclusive do Tomcat
temp - diretório temporário do Tomcat
webapps - diretório com os contextos (similar ao /var/www do Apache)
work - arquivos de servlets gerados pelo Tomcat a partir de JSPs
lib - bibliotecas comuns a todas as aplicações e ao Tomcat

Configurando Maven
wget -c "http://mirror.nbtelecom.com.br/apache/maven/maven-3/3.3.3/binaries/apache-maven-3.3.3-bin.tar.gz"
tar -xzvf apache-maven-3.3.3-bin.tar.gz -C /opt/

Adicionar variável de ambiente $MVN_HOME no PATH do sistema
#vim /etc/profile
export MVN_HOME="/opt/apache-maven-3.3.3/"
export PATH=$PATH:"$MVN_HOME/bin"
ESC +:x (para salvar e sair do editor Vim).
#source /etc/profile

Deploy Jenkins
Após a configuração do Tomcat, faremos o deploy do Jenkins.
Copiar o arquivo jenkins.war no diretório webapps do Tomcat.
#cp jenkins.war /opt/tomcat/apache-tomcat-8.0.26/webapps/ Reinicie o Tomcat
#/opt/tomcat/apache-tomcat-8.0.26/shutdown.sh
#/opt/tomcat/apache-tomcat-8.0.26/startup.sh

Acesse no browser -> http://IPSERVIDOR:8080/jenkins
Feito!